Queda x cancer

Muita gente tem pavor de câncer. Em tese, qualquer tecido do organismo pode desenvolver um tumor e sabemos que esse risco aumenta com a idade.

Entretanto, esse medo do câncer muitas vezes é desproporcional: primeiro porque existem muitas outras doenças que podem limitar a nossa saúde que precisam ser prevenidas e tratadas. Segundo porque hoje em dia muitos cânceres são curáveis.

Pensando na população mais velha, uma queda, por exemplo, pode ser muito mais devastadora que um câncer.

Esse é um problema que merece a nossa atenção. Quedas são muito comuns nas pessoas acima dos 60 anos e são um dos maiores fatores que ameaçam a independência dos idosos. Cair não é normal embora seja comum. Todos os anos, mais de um terço dos idosos que vivem em suas casas caem. Ou seja, o risco é muito grande. E esse risco aumenta com o passar dos anos.

As consequências de uma queda podem ser leves ou sérias. Vão desde escoriações até fraturas ou traumatismo craniano. Idosos completamente independentes do dia para noite podem passar a ser acamados, dependentes e necessitarem internação em instituições de longa permanência. Entre os idosos, as quedas são a quinta causa de morte, geralmente uma causa indireta.

Além das consequências físicas, as quedas também costumam trazer um ônus psicológico grande. O medo de cair novamente é, muitas vezes, “traumatizante” levando o idoso a diminir suas atividades perdendo, assim, qualidade de vida. O medo de cair não deve, por exemplo, ser motivo para limitar saídas na rua.

Por todo o exposto, fica claro que cair é sempre um fato importante, ainda que não tenha gerado lesões diretas. Todas as quedas recentes devem ser relatadas na consulta geriátrica. E caberá a todos os cidadãos, independente da idade, procurarem colaborar na prevenção das quedas de idosos.


Autora: Dra. Luciana Pricoli Vilela é medica especializada em Clínica Geral e Geriatria pela Universidade de São Paulo e membro da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *